quarta-feira, julho 9

Dominguinhos - Domingo Menino Dominguinhos, 1976


O que eu sabia sobre Dominguinhos era muito pouco e até então muito satisfatório: excelente sanfoneiro, herdeiro musical de Luiz Gonzaga e um dos últimos bastiões do autêntico forró pé-de-serra. Pronto, era isso. Meu interesse começou a mudar, mas não muito, quando descobri que Dominguinhos era, ao lado de sua parceira Anastácia, o compositor de "Tenho Sede", belíssima canção que Gilberto Gil gravara em Refazenda e posteriormente em seu Acústico MTV.

Algumas semanas atrás achei Domingo Menino Dominguinhos por acaso aqui em minha casa. Interessei-me em ouvi-lo, sobretudo, por "Tenho Sede" constar no repertório. “Ótimo”, pensei, “quero ouvir a versão original!”. Como tivesse tempo, coloquei o disco pra tocar inteiro. A essa altura eu sorvia tranqüilo meu café forte e sem açúcar e comia algumas torradas, com a despreocupação que uma refeição matinal precisa. Não me lembro se meu primeiro ímpeto foi sorrir embasbacado ou tentar conter os pêlos dos meus braços que se arrepiaram com os primeiros versos de "Quero um Xamego". Pensei novamente: “que diabo de música boa é essa?”. O som era uma mistura de João Donato (mais precisamente do disco Quem é Quem) com Luiz Gonzaga. Incrível. Comentei com alguns amigos sobre o disco, mas só Rodrigo havia escutado. Foi ele inclusive que me disse que a banda que gravara com Dominguinhos era composta por nada mais nada menos que Jackson do Pandeiro na percussão e no violão Gilberto Gil. Pesquisando mais tarde sobre o disco, descobri que os outros instrumentistas são tão bons quanto Gil e Jackson. Wagner Tiso no piano, segundo Davi, praticamente um maestro, Toninho Horta nas guitarras e, embora não conste na ficha técnica, Altamiro Carrilho na flauta transversal.

Mas eu falava em João Donato e Luiz Gonzaga como influências. Não param por aí. Há ecos de Jorge Ben (a faixa "O Babulina" é em sua homenagem), Cartola, Don Salvador, Cassiano. O jazz e o groove setentista também estão presentes. Evidentemente que o disco não é só a compilação de estilos e tendências acima citados. Seria uma infelicidade dizer tal coisa. A voz afetuosa e a sanfona precisa de Dominguinhos dão às músicas algo que toda música necessita: alma.


Véio Lua e menino Dominguinho


Faixa-a-Faixa:

01 - Quero um Xamego
(Anastácia e Dominguihos)

Possui aquela singeleza própria das músicas de João Donato e Gilberto Gil. Destaque para o coro feminino na segunda parte da canção, muito bonito.

02 - O Babulina (Anastácia e Dominguihos)

Samba-rock nordestino. Uma bela homenagem a Jorge Ben.

03 - Destino Traquino (Anastácia e Dominguihos)

Um xote melancólico recheado de improvisos jazzísticos na sanfona de Dominguinhos.

04 - De Mala e Cuia (Anastácia e Dominguihos)

As cordas caíram bem neste xote. Os metais também
.

05 - Minha Ilusão (Anastácia)

Choro, samba-canção nos belos moldes de Cartola e Paulinho da Viola. Altamiro Carrilho dar o ar da graça em um solo de flauta típico dos grandes chorinhos que ele executa.

06 - Gracioso (Altamiro Carrilho)

Jazz, groove setentista, xote, pagode, chorinho num instrumental vigoroso. A sanfona de Dominguinhos, a flauta transversal de Altamiro e o piano elétrico de Wagner Tiso transformam a música num duelo de talentos.

07 - Tenho Sede (Anastácia e Dominguihos)

“Traga-me um pouco d’água, tenho sede. E esta sede pode me matar. Minha garganta pede um pouco d’água e meus olhos pedem teu olhar”. Com esses versos Dominguinhos abre uma das mais belas músicas nordestinas de todos os tempos.

08 - Forró do Sertão (Anastácia e Dominguihos)

A música mais próxima do que eu imaginava que Dominguinhos fizesse. Forró tradicional.

09 - Veja (Anastácia e Dominguihos)

A sanfona, o piano elétrico e a guitarra se completam numa harmonia calma e doce. A letra é perseverante; dócil e perseverante.

10- Cheguei pra Ficar
(Anastácia e Dominguihos)

Uma das melhores do disco. Embora pareça um xote dos mais tradicionais, esconde uma levada jazzística.

11- O Canto de Acauã (Anastácia e Dominguinhos)

Mais um desses bonitos lamentos nordestinos sobre a presença da seca e da fome.

12- Baião Violado (Dominguinhos)


É a música síntese do disco. Um baião-jazz instrumental. Altamente recomendado.

NOTA:

3 comentários:

Escrever por escrever disse...

"Baião-jazz instrumental", deve ser o bicho!

Gustavo disse...

Isso é um discaço... Não há viagem sem ele no play!

Anônimo disse...

Procuro o LP DOMINGO MENINO DOMINGUINHOS para comprar. Quem se interessar: imaginario70@yahoo.com.br. Abraço e paz a todos.